Quadrinhos Resenhas - Séries

Resenha de Série: WANDAVISION


WandaVision (2021)
Elenco: Elizabeth Olsen, Paul Bettany, Kathryn Hahn, Teyonah Parris, Kat Dennings, Josh Stamberg, Evan Peters
Criação: Jac Schaeffer
Direção: Vários
Cotação: 4,5/5

ATENÇÃO: caso você ainda não tenha assistido a WandaVision, o texto a seguir contém SPOILERS!

Em primeiro lugar, a boa notícia: WandaVision é das melhores e mais criativas produções da Marvel Studios, com um conceito que dificilmente funcionaria como filme e que permite dar aos personagens Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) o espaço e o desenvolvimento que não tiveram no cinema. Em segundo, a má: não terá uma segunda temporada, sendo uma minissérie que dá o pontapé inicial na Fase 4 do MCU (Universo Cinematográfico Marvel).

De início muitos torceram o nariz para a sua premissa, já que nos dois primeiros episódios ela é, em forma e conteúdo, basicamente uma daquelas sitcons bobinhas e deliciosas dos anos 1950/1960, como I Love Lucy, A Feiticeira e Jeannie é um Gênio. Nenhuma explicação é dada sobre como ou porque Wanda e Visão, após os eventos que encerraram a Saga do Infinito (que abrange os primeiros 23 filmes do MCU), foram aparecer em um seriado bobinho como um casal lidando com afazeres domésticos, vizinhos intrometidos e colegas de trabalho. A coisa fica ainda mais intrigante pelo fato de Visão ter sido morto por Thanos em Vingadores: Guerra Infinita, quando o vilão dele retirou a Joia da Mente.

Fantasias de Mercúrio e Feiticeira Escarlate para o Halloween? Temos!

Mas no fim do terceiro episódio temos o primeiro indício do que realmente está acontecendo: Wanda, sem ter conseguido superar a dor pela perda de Visão, isolou uma cidadezinha do interior e, com seus poderes, criou um mundo perfeito onde seu amado está vivo e o casal tem dois meninos gêmeos. A utopia de Wanda baseou-se nas sitcons que ela assistia quando criança na Sokovia, antes da tragédia que matou seus pais, sendo os habitantes da cidade de Westview controlados por ela para interpretarem os personagens de sua fantasia.

Com Westview cercada por uma redoma escarlate impenetrável, a organização E.S.P.A.D.A., liderada pelo inescrupuloso Diretor Tyler Hayward (Josh Stamberg), é encarregada de descobrir o que está acontecendo na cidade e salvar seus habitantes. A partir daí temos a aparição de três personagens secundários do MCU, a nerd Darcy (Katt Dennings), a capitã Monica Rambeau (Teyonah Parris) e Jimmy Woo (Randall Park), com a ação alternando entre o interior da redoma e o mundo real no exterior.

Wanda Maximoff, finalmente, se torna a Feiticeira Escarlate dos quadrinhos

Em seu mundo idílico, Wanda começa a descobrir que nem tudo está sob seu controle, e a primeira evidência disso é o surgimento inesperado do seu irmão gêmeo Pietro/Mercúrio, morto no filme Vingadores: Era de Ultron, porém aqui encarnado por Evan Peters, que interpretou o personagem na finada franquia X-Men da Fox. Além de ser uma bem sacada referência aos filmes dos mutantes (que ainda não foram introduzidos no MCU), foi um recurso criativo que até gerou uma ótima piada, quando Darcy, monitorando o que acontece dentro da redoma, comenta que Wanda “escalou outro ator como Pietro”.

Wanda eventualmente descobre que seu mundo perfeito está em perigo não apenas pela intervenção da E.S.P.A.D.A., mas principalmente pela bruxa Agatha Harkness (Kathryn Hahn), que se infiltrou em Westview disfarçada como a vizinha abelhuda Agnes para absorver os crescentes poderes de feiticeira da ex-Vingadora. Foi ela, aliás, que enviou o Pietro “falso” para ajudá-la a manipular Wanda. Interessante de notar que, em várias ocasiões, a super-heroína é tratada como a vilã da história, já que isolou toda uma cidade e escravizou mentalmente seus habitantes.

Numa cena de impacto, que contou com a manipulação de Agnes, Visão, após adquirir consciência própria, descobre a verdade da situação quando, nos limites de Westview, encontra vários habitantes distantes demais para terem seus movimentos controlados por Wanda, porém presos e conscientes em seus corpos paralisados. Mas ela, é claro, irá se redimir, e no episódio final confrontará a verdadeira vilã, Agatha, para defender não só sua família, mas os próprios habitantes de Westview agora libertos do seu controle. Agatha inadvertidamente acaba sendo a mentora de Wanda, ao lhe revelar como atingir o potencial máximo dos seus poderes e se tornar a Feiticeira Escarlate – com direito a uma forma astral que remete à versão da personagem nos quadrinhos.

WandaVision se encerra como uma espécie de (re)nascimento de Wanda, agora de fato a Feiticeira Escarlate, e do próprio Visão, que antes de se desmaterializar ativou suas memórias no cérebro eletrônico do Visão Branco (seu corpo restaurado pela E.S.P.A.D.A., enviado para derrotar Wanda). E também serve como história de origem para Monica Rambeau, que ganha poderes e deverá retornar ao MCU como Fóton ou Espectro. Aliás, na melhor tradição dos filmes do MCU, o episódio final traz duas cenas pós-créditos. A primeira é com Rambeau, e na segunda e mais relevante vemos Wanda isolada em uma cabana, enquanto sua forma astral de Feiticeira Escarlate aprende os segredos do Darkhold – o Livro dos condenados. De repente ela ouve a voz dos filhos criados por sua mente, que aparentemente sobreviveram em alguma outra dimensão ou universo…

Depois de um ano em que não tivemos nada inédito do MCU, WandaVision começou 2021 nos brindando com uma trama criativa, uma produção esmerada e desempenhos notáveis de Elizabeth Olsen, Paul Bettany e Kathryn Hahn. Agora é esperar a estreia dia 19 de março de Falcão e O Soldado Invernal, outra minissérie do MCU que, ao que tudo indica, terá um estilo mais aproximado dos filmes.

E ainda este ano também teremos no Disney+ as séries Loki, Ms. Marvel e Gavião Arqueiro, e nos cinemas (se a pandemia finalmente permitir) Viúva Negra, Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, Os Eternos e Homem Aranha: No Way Home. A Feiticeira Escarlate, por sua vez, terá participação de destaque no longa Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, que será lançado daqui a um ano. É a ambiciosa Fase 4 do MCU finalmente chegando para dominar telinhas e telões.

Jorge Saldanha

0 comentário em “Resenha de Série: WANDAVISION

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: