Resenhas - Séries

Resenha de Série: THE EXPANSE – 6ª Temporada


The Expanse Season 6 (2021)
Elenco: Steven Strait, Dominique Tipper, Wes Chatham, Shohreh Aghdashloo, Frankie Adams, Keon Alexander, Cara Gee, Nadine Nicole, Jasai Chase Owens, Dylan Taylor
Criação: Naren Shankar, Daniel Abraham, Ty Franck
Direção: Vários
Cotação: 4,0/5,0

ATENÇÃO: caso você ainda não tenha assistido à 6ª temporada de The Expanse, o texto a seguir contém SPOILERS!

Finalmente a cultuada série The Expanse, após uma conturbada trajetória que incluiu seu cancelamento no canal Syfy e o posterior resgate pela Amazon, chegou ao seu final. Sem dúvida um momento muito especial para seus fãs, que no entanto certamente ficarão divididos: por um lado, satisfeitos pela produção ter alcançado um encerramento satisfatório, ainda que de certa forma corrido; por outro, frustrados porque sabem que ainda haveria muita história a ser contada.

A série foi um raro exemplar televisivo do gênero hard sci fi, enfatizando as conturbadas relações políticas entre a Terra e suas ex-colônias em Marte e no cinturão de asteroides, e principalmente o desenvolvimento dos personagens principais. Cenas de ação e combates espaciais aconteceram apenas quando essenciais para o desenrolar da trama, e sempre mostrados de forma realista. Por sua vez, os elementos alienígenas tiveram menor proeminência, apesar de serem a mola mestra de alguns eventos decisivos.

Um dos segredos para o projeto ser tão bem sucedido foi o envolvimento direto na produção dos autores da saga literária na qual ele se baseia, Daniel Abraham e Ty Franck (que publicaram os livros sob o pseudônimo James S. A. Corey). Isso proporcionou uma coesão narrativa difícil de se encontrar neste tipo de adaptação, e segundo eles (mais o showrunner Naren Shankar), a série terminou exatamente como pretendiam.

E de fato, pode-se dizer que The Expanse foi, de cabo a rabo, fiel à estrutura dos livros, apenas tendo alterações pontuais de plot e personagens quando realmente necessário. Isso quer dizer que, nesta temporada final, vemos o líder rebelde Belter Marco Inaros (Keon Alexander) e sua Marinha Livre finalmente serem derrotados pela união das forças da ONU, de Marte, dos dissidentes do Cinturão liderados por Camina Drummer (Cara Gee) e, acima de tudo, pela ação direta da tripulação da nave Rocinante.

A maior parte da temporada, que desta vez teve apenas seis episódios, passou-se em nosso sistema solar, consistindo de discussões estratégicas e exploração de personagens. Mas também tivemos uma subtrama do outro lado dos Anéis, na colônia marciana rebelde do planeta Lacônia, que nos revelou misteriosos alienígenas capazes de trazer animais e pessoas de volta à vida, bem como a construção de uma nave de protomoléculas pelo Almirante Duarte (Dylan Taylor). Com  o palco devidamente montado, o frenético episódio final “Babylon’s Ashes” (mesmo título do livro no qual se baseou esta derradeira temporada) culmina com um ataque de fuzileiros liderados pelo time da Rocinante à estação Medina, controlada por Inaros.

Estas cenas, tecnicamente primorosas, destacam Amos (Wes Chatham) e Bobby (Frankie Adams), que demonstram ser uma dupla que vale por um exército. O interessante é que os roteiristas (os próprios Abraham e Ty Franck) “convocaram” vários heróis e heroínas de conhecidas franquias de ficção científica para ajudarem no combate, como podemos ver pelos nomes na imagem do sistema da Rocinante durante a checagem  com as equipes de ataque:

Podemos até ouvir as vozes de Ripley (Alien) e Thrace (Battlestar Galactica) confirmando seu status. Temperada com essas referências, temos uma sequência memorável, que no entanto termina com uma morte anticlimática de Inaros, fruto de uma ideia de Naomi (Dominique Tipper): acordar as entidades alienígenas do Anel, que pulverizam o vilão e sua nave quando ele tenta atravessá-lo. Tudo o que vemos é uma imagem parada de Inaros, sendo desintegrado por tentáculos de bolhas vermelhas.

Sendo a ameaça finalmente eliminada, uma nova ordem é instaurada em nosso sistema, com a promessa de relações justas e igualitárias entre Inners, Marcianos e Belters. A família Rocinante ruma para um final feliz, enquanto do outro lado do Anel, em Lacônia, eventos que moldarão o futuro cósmico da humanidade seguem seu curso. The End.

Ou não? Quem sabe, com o sucesso de sua milionária adaptação de Fundação, daqui a alguns anos a Amazon resolva bancar uma “The Expanse Vol. 2”, levando à tela os três volumes finais da saga, que ao seu modo é tão ambiciosa e épica quanto a obra de Isaac Asimov.

Jorge Saldanha

2 comentários em “Resenha de Série: THE EXPANSE – 6ª Temporada

  1. Carlos Fernando Schmitt

    Uma das melhores séries de ficção-científica que já vi. Entrou no (meu) panteão de melhores séries de todos os tempos.

    Terminou com algumas pontas soltas, sim, mas, no geral, terminou bem, ao menos fechou o arco do Inaros. Poderia ter sido pior…

    Live long and prosper

    Curtir

  2. tem que continuar, muitas coisas sem definição

    Curtir

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: