Quadrinhos Resenhas - Filmes

Resenha de Filme: HOMEM-ARANHA: SEM VOLTA PARA CASA


Spider-Man: No Way Home, EUA, 2021
Gênero: Ficção Científica, Ação
Duração: 148 min.
Elenco: Tom Holland, Zendaya, Benedict Cumberbatch, Jacob Batalon, Jon Favreau, Alfred Molina, Jamie Foxx, Willem Dafoe, Tobey Maguire, Andrew Garfield, Thomas Hayden Church, Rhys Ifans
Trilha Sonora Original: Michael Giacchino
Roteiro: Chris McKenna, Erik Sommers
Direção: Jon Watts
Cotação: 3,5/5,0

Atenção: SPOILERS à frente!

Uma das grandes vantagens dos detentores dos direitos do Homem-Aranha (no caso, a Sony Pictures) é ter em mãos um dos super-heróis mais queridos de todos os tempos. Até quem nunca leu os quadrinhos (uma pena, aliás, caso seja o seu caso) tem um carinho especial pelo herói, cujo alter-ego, Peter Parker, passa por situações que o humaniza bem mais do que os demais heróis da Casa das Ideias – nem falo da DC Comics, que é casa mais de deuses e seres mitológicos mesmo. Então, uma das coisas que mais temos que agradecer por ter um projeto como HOMEM-ARANHA: SEM VOLTA PARA CASA (2021) sendo materializado é o fato de que, apesar de o personagem estar no meio de uma briga entre dois estúdios gigantes de Hollywood, a Sony e a Disney, o resultado que aqui temos é quase um milagre.

Afinal, se a Marvel tivesse conseguido os direitos do herói, ela certamente trataria de esquecer os filmes protagonizados por Tobey Maguire (2002-2007) e Andrew Garfield (2012, 2014). Então, aproveitando essa onda de exploração do conceito de multiverso, que não é nenhuma novidade para os fãs de quadrinhos desde pelo menos os anos 1980, foi uma felicidade ter a chance de brincar com a ideia de que os outros filmes do Homem-Aranha fazem parte de outros universos. Isso, inclusive, tira até mesmo aquela velha cisma de fãs xiitas que não gostam de certas mudanças ou adaptações que são feitas em seus heróis na transposição para as telas. Eu mesmo, confesso, não gostei muito da ideia da teia orgânica nos filmes do Sam Raimi. Mas agora tudo fica em paz, quando se tem consciência que o universo dos quadrinhos também é um universo à parte, embora seja o ponto de origem de tudo.

HOMEM-ARANHA: SEM VOLTA PARA CASA começa exatamente de onde terminou o anterior, HOMEM-ARANHA: LONGE DE CASA (2019), que deixou um baita gancho: o vilão Mysterio (Jake Gyllenhaal) vazou para o mundo inteiro a identidade secreta do Aranha, fazendo com que o jovem Peter Parker (Tom Holland) ficasse em uma situação bastante complicada, tendo que se esconder, com sua tia May (Marisa Tomei), a namorada MJ (Zendaya) e o melhor amigo Ned (Jacob Batalon) em um apartamento, graças à ajuda de Happy Hogan (Jon Favreau), pelo menos até as coisas se acalmarem. Sem ter muita paciência ou sabedoria para resolver a situação de uma maneira mais convencional, Peter Parker pede ao Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch), para que ele o ajude com um feitiço para que todas as pessoas esqueçam que ele é o Homem-Aranha.

Esse recurso já fora usado, e de maneira muito mais polêmica, nos quadrinhos, quando o herói faz um pacto com Mefisto, o Satanás da Marvel, para que as pessoas esqueçam sua identidade secreta, de modo que sua família não seja alvo dos inimigos. Ter o Doutor Estranho fazendo esse tipo de coisa é até mais tranquilizador. E, no fim das contas, isso acaba funcionando como uma ótima desculpa para trazer de volta personagens dos filmes protagonizados por Maguire e Garfield, devido a um problema durante o feitiço. Abre-se, então, um portal para que supervilões como Doutor Octopus (Alfred Molina), Duende Verde (Willem Dafoe), Electro (Jamie Foxx), Lagarto (Rhys Ifans) e Homem-Areia (Thomas Haden Church) invadam aquele universo e confrontem aquele Homem-Aranha diferente.

Fico imaginando o quanto os produtores pagaram para poder conseguir a presença de cada ator desses. Só isso já é um exemplo do poder dos estúdios Marvel. É interessante o quanto essa brincadeira faz a festa dos fãs do herói, que gritam e festejam a aparição de cada personagem conhecido e que havia sido dado como morto e esquecido, com o advento da fase Tom Holland. Essa festa se torna ainda mais feliz com as cenas que trazem de volta os Aranhas de Maguire e Garfield, ambos surgindo de maneira divertida e inteligente da parte dos roteiristas. E mais: as cenas de interação entre os três são os momentos mais gostosos de ver do filme, assim como a gloriosa cena dos três partindo para a luta contra os bandidos. A troca de confidências e a ajuda psicológica que os colegas mais velhos dão ao Peter daquele universo são também exemplos de pontos altos do filme, além das piadas que surgem, muitas delas como piscadelas para os fãs fiéis. Ou seja, quem não tiver visto os demais filmes vai ficar sem entender um bocado.

Mas diria que SEM VOLTA PARA CASA falha na maneira como lida com as emoções. Cenas mais dramáticas e que deveriam ser tristes ou tocantes acabam parecendo mecânicas, como é mecânico esse meio de produção atual da Marvel. Dá para notar que estamos diante de um filme de produtor e não de diretor, por mais que funcione muito bem na maioria das vezes. Ainda assim, gosto da solução final para a vida do herói, que pode ser um elemento de afinação para as histórias mais clássicas do amigão da vizinhança. Sem falar que a questão envolvendo a Zendaya pode render no futuro, se bem pensado, e se feito com delicadeza, momentos comoventes. Aguardemos.

Ailton Monteiro

0 comentário em “Resenha de Filme: HOMEM-ARANHA: SEM VOLTA PARA CASA

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: