Resenhas - Filmes

Resenha de Filme: SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS


Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings, EUA, 2021
Gênero: Ação, Fantasia
Duração: 132 min.
Elenco: Simu Liu, Awkwafina, Michelle Yeoh, Tony Leung, Florian Munteanu, Fala Chen
Trilha Sonora Original: Joel P West
Roteiro: Dave Callaham, Destin Daniel Cretton, Andrew Lanham
Direção: Destin Daniel Cretton
Cotação: 2,5/5

Em meu texto sobre O ESQUADRÃO SUICIDA, comentei sobre as diferenças de abordagem entre a Marvel/Disney e a DC/Warner. Não vou me alongar novamente nesse assunto, mas vou comentar mais uma vez sobre a necessidade de a Marvel ter mais carinho por cada filme produzido, e não por um projeto a longo prazo, tratando os títulos menores como uma mera formalidade, como algo que possa satisfazer apenas os fãs interessados na criação/ampliação de uma cronologia dentro do MCU.

Claro que é louvável se pensar no futuro e ter um grande projeto à frente. Claro que é louvável ter a coragem de fazer filmes milionários com super-heróis, super-heroínas e equipes pouco conhecidos do grande público – afinal, quem imaginaria que teríamos filmes dos Guardiões da Galáxia ou dos Eternos? E são filmes que custam muito dinheiro sempre.

SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS (2021), dirigido pelo inexpressivo Destin Daniel Cretton, traz o herói que eu conheci na infância como o Mestre do Kung Fu no mix Heróis da TV. Na minha memória turva, suas histórias não tinham tantos elementos de fantasia quanto o filme preferiu incluir. O personagem, aliás, veio ao mundo em um momento de grande popularidade dos filmes de artes marciais em todo o mundo na década de 1970,  estendendo-se para os anos 1980. Eu até me lembro que havia uma sessão de filmes que passava depois do Fantástico chamada Sessão Faixa Preta, só com produções de kung fu feitas em Hong Kong. Essa sessão existiu nos anos 1983-84 e ficou lembrada pelo esticamento das imagens da janela scope dos filmes. Um horror, mas achava estranho e interessante.

Shang-Chi, o personagem chinês com as feições de Bruce Lee e que até entraria em uma ou mais formações dos Vingadores, deixou de ser tão popular nos anos 2000 ou até antes, mas já está voltando à ativa nos quadrinhos por conta do retorno aos holofotes provocado pelo provável sucesso de bilheteria do filme.

Sobre SHANG-CHI, ele empolga bastante no primeiro ato, com o protagonista (Simu Liu) trabalhando como manobrista de carros em um hotel junto com sua divertida amiga Katy (Awkwafina). Os dois são tão amigos que os pais de Katy não sabem por que não assumem logo um namoro. A melhor cena do filme acontece nesse primeiro ato, quando um sujeito quer roubar o pingente usado por Shang-Chi, que por sua vez é obrigado a revelar suas incríveis habilidades nas artes marciais. Especialmente quando entram em cena mais homens e até um outro com uma enorme lâmina no lugar do braço, capaz de cortar o ônibus ao meio. Trata-se, sem dúvida, da melhor cena do filme, com um belo cuidado na coreografia.

Uma pena que as demais cenas de ação não sejam boas. As duas seguintes se passam à noite e são muito escuras. Quando Shang-Chi recebe um cartão postal da irmã, sabe que precisa voltar à China para vê-la, e sabe também que aqueles homens que o atacaram foram enviados por seu pai. E eis algo muito bom no filme, que é o fato de que seu pai, o verdadeiro Mandarim, e não aquele ridículo ator vivido por Ben Kingsley em HOMEM DE FERRO 3, é interpretado pela lenda-viva Tony Leung. Por mais que ele não aparente estar à vontade no papel, sua presença em cena ajuda a dar a SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS um ar de dignidade.

Além do mais, o flashback que vemos de seu encontro com a mãe de Shang-Chi (a bela Fala Chen) traz uma beleza plástica nas cenas que remetem àqueles belos filmes de artes marciais dirigidos por Zhang Yimou no início dos anos 2000, como O CLÃ DAS ADAGAS VOADORAS e HERÓI. Mas só um pouco, já que o tal poder dos dez anéis usado pelo personagem de Leung é só o começo para um filme que cada vez mais se deixará levar pela fantasia.

A tal ponto que todo o terceiro ato parece um carnaval colorido de brigas de monstro com dragão e lutas sem sangue (de vez em quando rola um nariz sangrando). E há o excesso de CGI e uma trama meio estranha sobre o pai de Shang-Chi ouvir a voz da esposa, morta em um ataque inimigo muitos anos atrás. No fim das contas, pai e filho se tornam inimigos em uma grande batalha na região mágica escondida. Esse universo mágico, que mais provoca bocejos e um convite ao sono, é também tratado com desleixo na história. E Awkwafina segue até o fim por ser carismática e divertida, e talvez por ser o elo de ligação com o espectador dentro de sua normalidade. Além de equilibrar o pouco encanto do protagonista.

Ailton Monteiro

0 comentário em “Resenha de Filme: SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: