Filmes Resenhas - DVD e Blu-ray

Resenha de Blu-ray: BLADE RUNNER 2049 (3D+2D)


BLADE RUNNER 2049
Produção: 2017
Duração: 164 min.
Direção: Denis Villeneuve
Elenco: Ryan Gosling, Harrison Ford, Jared Leto, Ana de Armas, Sylvia Hoeks, Robin Wright, Dave Bautista, Mackenzie Davis, Carla Juri, Lennie James, Edward James Olmos
Vídeo 2D: 2.39:1 (1080p/AVC)
Vídeo 3D: 2.39:1 (1080p/MVC)
Áudio 2D: Inglês, Português, Italiano (DTS-HD Master Audio 5.1)
Áudio 3D: Inglês, Francês (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, etc.
Região: A, B, C
Distribuidora: Sony
Discos: 2 BD (50GB)
Lançamento:24/01/2018
Cotações: Som 2D: ****½ Som 3D: ½ Imagem 2D: ****½ Imagem 3D: ***½ Filme: ****½ Embalagem & Extras:  Geral: **** 

SINOPSE
Trinta anos após os acontecimentos do primeiro filme, a humanidade está novamente ameaçada pelos Replicantes, e dessa vez o perigo pode ser ainda maior. Isso porque o Blade Runner novato K (Ryan Gosling) desenterrou um terrível segredo, que tem o potencial de mergulhar a sociedade no completo caos. A descoberta acaba levando-o a uma busca frenética por Rick Deckard (Harrison Ford), desaparecido há 30 anos.

COMENTÁRIOS
Para ler nossa resenha do filme, clique AQUI.

SOBRE O BD
Lançado nos EUA em Blu-ray (1080p) e UHD-BD (2160p) pela Warner, BLADE RUNNER 2049 chega ao Brasil apenas em BD via Sony, que inclusive disponibilizou o filme em um estojo steelbook. A edição que analisamos é o combo 3D+2D, onde os dois discos estão acondicionados em um estojo plástico envolto por uma luva de cartolina simples, sem efeito lenticular. Tecnicamente, as principais diferenças entre nossas edições e as da Warner em Blu-ray são as de que a Sony, na versão 2D, eliminou a faixa original em inglês Dolby Atmos e fez um downgrade na faixa DTS-HD MA – lá 7.1, aqui 5.1. Em compensação, todas as dublagens disponíveis, inclusive português, ganharam mixagem lossless. Já a versão 3D só traz faixas Dolby Digital 5.1 em inglês e Francês. Os menus são básicos e estáticos, mas pelo menos foram traduzidos para o português. Quanto aos extras, também há diferenças entre nossas edições e as norte-americanas, que serão especificadas mais adiante.

Imagem

BLADE RUNNER 2049, que assisti no cinema em uma sala IMAX, foi rodado com câmeras digitais Arri Alexa e finalizado em duas proporções de tela diferentes – 2.39:1 para exibição em salas normais e 1.90:1 para IMAX. Em home video, infelizmente, tanto na versão standard como na 3D, o único aspect ratio empregado foi o 2.39:1, cujas tarjas maiores acima e abaixo da imagem retiram parte do impacto visual do longa, especialmente nas tomadas panorâmicas de exteriores e nas de amplos ambientes interiores. Comparando o estilo visual desta continuação com o do filme original de 1982, percebe-se que ele é bem mais sombrio, com uma paleta de cores discreta e, em vários ambientes, praticamente monocromática. As cores mais vibrantes e variadas são vistas em monitores de computador ou projeções e simulações holográficas que surgem em partes da cidade. Estas características inerentes à produção são fielmente reproduzidas pela transfer 1080p/AVC, que também se caracteriza por seus ótimos níveis de preto e de detalhes finos. Destaque-se que, mesmo dividindo espaço com os extras no disco 1, a versão 2D roda num bitrate alto e estável, o que atesta o bom trabalho feito no que se refere à compressão empregada na autoração. Já a transfer 1080p/MVC é mais escurecida e perde um pouco nos detalhes, o que não ajuda muito na criação de efeitos tridimensionais e de profundidade. Mas dito isso, há alguns momentos interessantes em 3D, como quando K voa entre os grandes edifícios de Los Angeles, ou quando ele interage com a personagem holográfica Joi (Ana de Armas). Em ambas as apresentações, não foram percebidos artefatos ou anomalias digitais.

Som

Como já mencionado, nossa versão 2D de BLADE RUNNER 2049 perdeu a faixa Dolby Atmos em inglês, e mesmo a mixagem DTS-HD MA 7.1 foi “rebaixada” para 5.1. Apesar da perda da maior imersão proporcionada pelos canais adicionais, o áudio lossless é de elevada qualidade, com efeitos surround notáveis e graves fortes. Os diálogos sempre são ouvidos de forma clara, e o score eletrônico de Hans Zimmer e Benjamin Wallfisch, que tenta seguir a linha da clássica trilha sonora de Vangelis, é reproduzido de forma cristalina. Digno de nota é o fato de que as demais dublagens – português e italiano – também estão em DTS-HD MA 5.1 de alta qualidade. Já as coisas mudam drasticamente na versão 3D do filme, que possui apenas faixas lossy Dolby Digital 5.1 em inglês e francês. Ou seja, se você optar por assistir ao longa em 3D, perderá a qualidade superior do áudio sem compressão, bem como a opção da dublagem em português. Procedimento lamentável típico da Sony por aqui. Ambas as versões possuem legendas em português e outros idiomas.

EXTRAS
Por ser a continuação de um filme tão cultuado, seria de esperar que BLADE RUNNER 2049 ganhasse uma edição em BD com um disco adicional repleto de extras, mas não foi o caso. Junto com o disco da versão standard há um pequeno making of, os prólogos e alguns curtos featurettes (basicamente material de divulgação). Alguns aspectos importantes, como o desenho de produção, efeitos visuais e trilha sonora, deveriam ter recebido segmentos específicos. Uma faixa de comentários com o diretor Denis Villeneuve também viria a calhar. Nossa edição é ainda mais anêmica, já que perdeu o featurette de 17 minutos Ser Humano, presente no Blu-ray norte-americano, dedicado ao casting do filme. Esperemos, no futuro, por edições mais recheadas em 8K, 16K holográfico ou em formatos que, a exemplo do UHD-BD, certamente nunca chegarão no Brasil, onde o Blu-ray agoniza e o DVD ainda é o preferido pelo consumidor. Todos os vídeos estão em 1080p e com áudio em inglês Dolby Digital 5.1, possuindo opções de legendas em português.

  • Projetando o Mundo de Blade Runner 2049 (21:55 min.) – Nesta seção temos depoimentos de atores, membros da equipe de produção e de criação, neste interessante – ainda que breve – making of da produção;
  • Prólogos (27:25 min.) – Com apresentação do diretor Denis Villeneuve, temos três curtas que se passam antes de 2049. O mais interessante – e mais longo (quase 16 minutos) é o anime do diretor Shinichiro Watanabe dedicado ao blecaute acontecido em 2022, um evento que influencia bastante a trama do filme. Os dois outros prelúdios foram dirigidos por Luke Scott (filho de Ridley Scott) e são dedicados aos personagens Niander Wallace (Jared Leto) e Sapper Morton (Dave Bautista). Os prólogos podem ser assistidos na sequência ou separadamente;
  • Blade Runner 101 (11:22 min.) – Por fim, chegamos a seis pequenos featurettes dedicados ao mundo do filme, aos novos Replicantes, veículos e aspectos visuais. Como os prólogos, podem ser assistidos individualmente, em qualquer ordem, ou em sequência.

Jorge Saldanha

2 comentários em “Resenha de Blu-ray: BLADE RUNNER 2049 (3D+2D)

  1. A detalhada resenha deixa o fã inteirado do seu objeto do desejo. Parabéns!

    Curtir

  2. Pingback: A FORMA DA ÁGUA é o grande Vencedor do Osar 2018 – SCI FI do Brasil – O Portal da Ficção Científica em Português

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: