Resenha de Filme: LOGAN


logan-cartazLogan, EUA, 2017
Gênero: Ficção Científica, Ação
Duração: 135 min.
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart,  Boyd Holbrook, Dafne Keen, Stephen Merchant, Elizabeth RodriguezRichard E. Grant,
Trilha Sonora: Marco Beltrami
Roteiro: David James Kelly
Direção: James Mangold
Cotação: star_3_5

Ainda está para chegar um filme adaptado de um super-herói dos quadrinhos que consiga chegar ao posto de obra-prima, como já chegaram tantas obras de roteiristas e artistas famosos, principalmente a partir dos anos 1980, quando uma série de graphic novels de renome revolucionou os quadrinhos de super-heróis. Talvez isso aconteça porque o cinema sempre ficou à sombra do seu objeto de inspiração, ou talvez porque tenha faltado um grande realizador que assumisse tal empreitada, embora possamos nos lembrar com carinho do HULK de Ang Lee (2003), tão estranho quanto interessante.

Levando em consideração o currículo apenas mediano do diretor James Mangold, LOGAN (2017) pode ser visto como um feito e tanto. Até porque Mangold foi o escalado também para dirigir o segundo filme solo de herói das garras de Adamantium, WOLVERINE – IMORTAL (2013) e o resultado não foi muito animador, embora seja muito superior ao horrível filme de origem do herói. A ideia de fazer um história mais realista e mais dura com seu personagem, agora um velho amargurado e alcoólatra, encontra ecos no melhor trabalho de Mangold, COP LAND (1997), estrelado por Sylvester Stallone.

Não é um filme perfeito como gostaríamos de ver e como boa parte da crítica do Festival de Berlim andou descrevendo, mas é sim uma realização de respeito, que talvez falhe pela falta de uma montagem mais eficiente. Também nota-se que o sentimento que o filme quer passar, tanto nas cenas de violência como nas da relação de Logan (Hugh Jackman) com a garotinha Laura (Dafne Keen), nem sempre funciona do ponto de vista da emoção. Parecem mais tentativas do que acertos.

Mas falemos das qualidades de LOGAN, este filme que se inspira na versão mais velha do personagem, apresentada pela primeira vez no arco de histórias “Old Man Logan”, escrito por Mark Millar e desenhado por Steven McNiven em 2008-2009, e que se tornou um clássico. Mangold cria uma nova história a partir da ideia de um Wolverine velho e cansado, ambientando a trama em um mundo parecido com os dos filmes de Mad Max. Nesse mundo, os mutantes estão praticamente extintos e Logan acredita que só restam ele e o agora nonagenário Professor Charles Xavier (Patrick Stewart), além de um amigo da dupla, Caliban (Stephen Merchant).

A presença de Jackman como Wolverine foi fundamental em todos os filmes da franquia X-Men e sua despedida do papel de sua vida foi bastante digno, tendo arrancado uma performance memorável. O olhar cansado de Logan, que aparece como um motorista de limusine, mancando e cheio de cicatrizes e feridas que custam a cicatrizar, já o distanciam daquele que foi visto como um ser quase imortal no passado.

Essa fragilidade do personagem o humaniza mais. Não é fácil ver Logan apanhando de um bando de homens comuns, mas ao mesmo tempo isso faz valer a desforra e a surpresa ao ver que, finalmente, colocaram as garras do homem para funcionar da maneira como deveria ser em um filme mais adulto, decepando cabeças, pernas, braços, matando seus inimigos impiedosamente.

A liberdade de poder trabalhar o personagem dessa forma pode ser vista por alguns como arriscada, mas foi possível graças ao sucesso gigantesco de DEADPOOL, que mostrou que havia sim um público ávido por filmes mais violentos de seus super-heróis, e com uma classificação indicativa para espectadores mais maduros. Depois de DEADPOOL, o projeto LOGAN ficou mais viável e tomou forma a ponto de se tornar um filme que pode ser assistido de maneira independente dos demais longas da franquia X-Men e Wolverine.

LOGAN é também um filme sobre um homem que não aguenta mais o peso do seu passado, e que está disposto a dar cabo da própria vida, assim que possível. O que o impede é talvez o fato de ter que cuidar de Charles Xavier, que agora vive em um lugar escondido no meio do nada e tendo convulsões capazes de perturbar a mente de todos que estiverem por perto. Outro motivo para seguir vivendo aparece na figura da pequena Laura, a X-23, nascida a partir do seu DNA e que também passou por um processo semelhante ao seu, para ser uma máquina de matar. As cenas que mostram a pequena Laura atacando os seus desafetos chegam a ser empolgantes.

Talvez falte ao filme um vilão de peso (não custa lembrar que Boyd Holbrook conseguiu perder o protagonismo na série NARCOS para seu parceiro por falta de carisma), mas é melhor assim do que ter um vilão megalomaníaco e chato como o de X-MEN – APOCALIPSE. Além do mais, destoaria e muito das intenções mais realistas do filme, de sua vontade de ser algo próximo de um western misturado com uma sci-fi distópica. Nesse sentido, LOGAN foi bem-sucedido e será lembrado como um bom ou até mesmo ótimo exemplo por algum tempo.

Ailton Monteiro

Anúncios

5 Comments

  1. Por Marco Antonio Rodrigues.

    A velhice é inexorável!!!
    Até os detentores dos mais variados e impressionantes poderes sucumbem a ela.
    Nem mesmo o adamantino consegui sustentar por muito tempo a estrutura biológica que dava forma ao irreverente e implacável Wolverine.
    Logan se foi. Sem se curvar, com a honradez característica de um grande guerreiro. Sustentou intrépidamente o código de honra que reside no intimo de todo grande herói e fez tremular com especial alegria a bandeira dos admiráveis e inesquecíveis “X-MAN”.

    Recomendo muito o filme.

    Curtir

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s