JORNADA NAS ESTRELAS – ENTERPRISE: UMA BOA IDEIA MAL UTILIZADA?


enterprise_logo_smallEm 2001 estreou nos Estados Unidos, na rede de TV UPN, a série Star Trek: Enterprise, criada por Rick Berman e Brannon Braga e baseada em Jornada nas Estrelas, de Gene Roddenberry. A expectativa era de que mais esta série derivada da Série Original repetisse os êxitos (maiores ou menores) de suas antecessoras, as spin-offs A Nova Geração, Deep Space Nine e Voyager, cada uma com sete temporadas produzidas.

O detalhe é que Enterprise nasceu em pleno desgaste da franquia, que estava ininterruptamente na TV desde 1987, e nos cinemas com longas metragens lançados a partir de 1979. Além disso, os produtores e a UPN tentaram passar a idéia de que na série, ambientada no século anterior à da Série Original, seria mostrado o surgimento da Federação dos Planetas Unidos. Porém, o piloto foi todo focado em uma tal “Guerra Fria Temporal”, uma trama considerada pelos fãs mais radicais fraca e insustentável, e que acabou afastando boa parte de seu público potencial.

A NX-01
A NX-01

A série começa no ano terrestre de 2151 (a época de Kirk como capitão da Enterprise NCC-1701 inicia em 2264), com o lançamento da Enterprise NX-01, sob protestos dos Vulcanos, que consideravam os humanos despreparados para missões de longo alcance no espaço. Tivemos diversas inovações, a principal o fato da série situar-se no século 22, num período pré-Federação. A nave, comandada pelo Capitão Jonathan Archer (Scott Bakula) só chegava à dobra 5, a tecnologia do teletransporte era recente, e usada apenas para transportar carga. Só em momentos extremos os tripulantes eram teletransportados. A nave não possuía raio trator, e pelo menos na primeira temporada, nem tampouco canhões phasers ou torpedos fotônicos. Também merece ser destacado o fato de que foi a primeira série de Jornada nas Estrelas a ser exibida no formato widescreen (posteriormente foi inclusive dispensado o uso de filme, passando a ser utilizadas câmeras de vídeo de alta definição).

O maior acerto de Enterprise, no entanto, foi a abordagem dos Andorianos, uma espécie alienígena da versão original que ficou esquecida por muitos anos, sem ser utilizada nos demais spin- offs. Os Andorianos, com pele azul  e um um par de antenas na cabeça, foram mostrados como inimigos dos Vulcanos, mas Archer adquire a simpatia de Shran (Jeffrey Combs), um importante líder andoriano, e assim vai se forjando a aliança entre esses três povos. O episódio “Cessar Fogo”, da segunda temporada, é um dos que melhor trabalha a relação entre Humanos, Andorianos e Vulcanos.

A Federação, anos depois, é formada justamente por Terra, Vulcano, Andor, Tellar e Alpha Centauri. Especula-se que essa aliança inicialmente surgiu para enfrentar a ameaça do Império Romulano, que lutou contra a Terra na guerra Terra/Romulus (2160). De qualquer maneira, os fãs de Jornada nas Estrelas encontrarão em Enterprise erros graves de continuidade:

  1. No filme Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida (2293), Spock (Leonard Nimoy) comenta que a guerra entre a Federação e os Klingons já dura 70 anos, e no episódio “Primeiro Contato” (quarto ano da Nova Geração), o Capitão Picard (Patrick Stewart) comenta que um primeiro contato desastroso entre uma nave federada e uma klingon levou ao inicio da guerra entre eles, e a criação da Primeira Diretriz. Somadas as duas informações, descobrimos que esse encontro ocorreu em 2223, e deu inicio à guerra Federação/Império Klingon. Como se pode ver, os Klingons não poderiam aparecer no século 22, mas acabam sendo uma das espécies que mais aparecem na série;
  2. No ano de 2264 a Enterprise de Kirk foi a primeira a registrar uma viagem no tempo, e portanto colocar a trama da Guerra Fria Temporal, no século 22, desrespeita essa referência;
  3. Os Ferenguis só foram encontrados pela Federação no século 24, assim como os Borgs. Colocá-los no século 22 destoa de tudo que foi mostrado sobre eles anteriormente. O doutor Phlox (John Billingsley) consegue neutralizar as nanossondas Borgs, algo que nem no século 24 era possível;
  4. Em Jornada nas Estrelas V: A Última Fronteira, a Federação descobre que existem Vulcanos que não seguem a lógica, o que até então era desconhecido. Mas Archer encontra um grupo desses Vulcanos, e manda para o espaço a continuidade;
  5. Archer escapa da prisão Klingon de Rura Penthe, algo que, de acordo com Jornada VI, só Kirk havia realizado;
  6. Num episódio, Archer, com a ajuda do viajante do tempo Daniels, instala na NX-01 tecnologia que permite ver as naves sulibans mesmo camufladas. Mas, no século 23, nem a nave Classe Constitution, de Kirk, conseguia detectar naves Romulanas ou Klingons camufladas;
  7. Ainda sobre naves camufladas, no episódio da Série Original “O Equilíbrio do Terror”, fica claro que para a Federação esta tecnologia era apenas “teoricamente possível”, e que na guerra Terra/Romulus, as naves romulanas não dispunham deste recurso. Contudo, no episódio “Campo Minado”, de Enterprise, vemos minas e naves romulanas invisíveis.
O elenco de Enterprise
O elenco de Enterprise

Esses são apenas alguns dentre os erros de continuidade vistos no programa. Quando iniciou a ameaça Xindi, no final do segundo ano, muitos abandonaram a série, pois queriam ver a formação da Federação, e não a Guerra Fria Temporal. Finalmente, no quarto ano, Manny Coto assumiu a produção, e para tentar salvar a série ele focou os episódios justamente naquilo que os fãs queriam ver: os eventos que levaram à formação da Federação. Coto produziu excelentes tramas, que utilizavam elementos da Série Original e da Nova Geração, respeitando a continuidade. Mas, infelizmente, já era tarde para salvar Enterprise, que foi cancelada em 2005 com apenas quatro das sete temporadas que estavam previstas.

Por tudo isso é que considero Enterprise uma boa ideia mal utilizada. Se tivessem, desde o inicio, usado o foco que todos esperavam, ela poderia ter tido mais sucesso e temporadas. Enterprise foi exibida aqui pelo canal pago AXN, e já foi lançada integralmente em DVD no Brasil.

Guilherme da Costa Radin

Anúncios

31 Comments

  1. Enterprise é minha série “Star Trek” favorita. Apesar de “chutar” a continuidade (o que poderia ter sido evitado) ela tem os melhores roteiros e as melhores aventuras. Foi, pra mim, a série mais divertida da franquia até o fim da guerra fria temporal. Eu esperava que eles voltassem à explorar a galáxia para a formação da Federação e, ao invés disso, caíram numa Terra “alternativa” com alienígenas e nazistas trabalhando juntos. Depois os episódios foram ficando cada vez mais fracos até o cancelamento.

    Curtir

    1. o final da serie foi uma decepçao
      com trip morrendo nao precisava ir naquela missao nem ele nem t pool nem os outros bastava ter soldados treinados para ir com o azuzinho…nao entendi o filho de trip aparecer num dos episodios e no final o pai morrer sem ao menos casar com t pool …final horrivel

      Curtir

  2. NA verdade (uma coisa que eu disse muitas vezes no Fórum Trek Brasilis) Enterprise já começou errada NO NOME… POR QUE diabos tinha que ser Enterprise? Por que não (já que era uma nave “pioneira” na sua concepção) chamar de, por exemplo, “Pioneer”? Até acho que ficaria melhor para a série: “Star Trek: Pioneer”… não digo que era “proibido” o uso do nome que foi usado mas, assim, pareceu-me uma espécie de “golpe sujo de marketing” usado apenas para tentar “puxar” os fãs da franquia, se é que me entendem… :-/

    Curtir

    1. O noma da nave – e da série – teria de ser algo simbólico nessa linha. Talvez “Freedom”, já que os humanos queriam maior autonomia dos vulcanos para realizar a exploração espacial.

      Curtir

  3. O que pergunto é, porque Star Trek tinha que ser tão igual (ou o contrário) a Andromeda? Dá até arrepio lembrar que perdi tempo assistindo a esta série.

    Curtir

  4. Apesar de tudo eu gostei da série e pretendo assistir novamente, o que me dá mais tristeza é não ter uma série de Jornada no ar sempre! Seria muito legal se tivesse sido diferente, também acho, seguindo a premissa de mostrar a fundação da Federação, e claro não tendo erros de continuidade, mas foi o que tivemos e foi melhor que o nada de agora.

    Curtir

  5. ACho que o que torna Enterprise maçante é o tom “politicamente correto” que ele impõe. Os sensíveis são homens, quando a racional é mulher. O capitão chega a ter um beagle fofinho como seu companheiro inseparável. O Dr Phlox sorri sem parar, o típico médico nerd idiota o qual não se perde uma chance para se ridicularizá-lo. O Chefe da engenharia engravida e tem seios. Ou seja, parece que estou vendo um sonho PTista. Quem escreveu o roteiro tem certeza que não fora o Sakamoto ou o camarada Dilma Bolada?

    Curtir

    1. Star trek não foi feito para gente como vc, tu pensa como um klingon ! É notório que vc jamais assistiu o Star Trek The Next Generation de 1987 !
      Pra te dizer a verdade o Star trek enterprize é o mais racista da franquia ! Nessa versão de 2001 o Brasil é representado como um país florestal quente e cheio de insetos.
      O comandante Andoriano (o amigo do cara rosada ) se refere a uma raça de albinos telepatas do seu mundo como uma sub raça.
      Nessa franquia Trek a xenofobia e superioridade de povos e raças são bastante valorizadas.
      Vc reclama do médico Denobulano, um cara super gente fina e ético porem ele é personagem mais respeitado pela T-Pol ao lado do capitão e o engenheiro.
      O problema do capitão não é ter um cachorro beagle; o problema do capitão é a sua completa incoerência na hora de tomar uma atitude (culpa dos roteiristas. A série star trek enterprizes é a mais burra de todas(Excepto o tema sonoro da sua abertura ).
      Vc é um daqueles imbecis que vota no bolsomico !

      Curtir

  6. Estou gostando muito e como assisti a original dos anos 60, poderia ser vista como uma introdução à nova versão dos cinemas e um possível remake do original com tecnologias atuais

    Curtir

  7. Esta história de continuidade é balela! Todas as grandes produções chutaram essa tal de continuidade como se fosse um balde vazio em campo de futebol. Acho que o grande diferencial da serie Star Treck é justamente a guerra temporal. E se os fãs da serie perceberem, quando ocorre uma interferência temporal, ela muda a linha do tempo

    Curtir

  8. A série é otima, depois de voyager é claro, mas que final mais idiota eles colocaram, poderiam matar o piloto que tinha um dos papeis mais fracos do elenco.

    Curtir

  9. Sempre gostei dessa série . Star Trek foi feito para diversão . Sou trekker , mas não levo isso tão serio . Sempre me diverti muito com a série . O capitão Archer é um ótimo personagem , e T’pol … è mais bonita que o Spok

    Curtir

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s