Resenha: X-MEN: PRIMEIRA CLASSE (Blu-ray)


Produção: 2011
Duração: 132 min.
Direção: Matthew Vaughn
Elenco: James McAvoy, Michael Fassbender, Alice Eve, Kevin Bacon, Nicholas Hoult, Jennifer Lawrence, January Jones, Rose Byrne, Jason Flemyng, Oliver Platt
Vídeo: Widescreen Anamórfico 2.35:1 (1080p/AVC MPEG-4)
Áudio: Inglês (DTS-HD Master Audio 5.1), Português, Espanhol (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol
Região: A, B, C
Distribuidora: Fox
Discos: 1 BD (50GB), 1 DVD
Lançamento: 29/09/2011
Cotações: Som: ***** Imagem: ****½ Filme: **** Extras & Menus: ***½ Geral: ****

SINOPSE
Veja como tudo começou neste primeiro capítulo da saga dos X-Men. Antes de Charles Xavier e Eric Lehnsherr passarem a ser conhecidos como professor X e Magneto, eles eram dois rapazes que ainda descobriam seus poderes. Antes de eles serem inimigos, eles eram amigos e reuniram uma elite de mutantes para formar os X-Men numa tentativa de impedir a 3ª Guerra Mundial.

COMENTÁRIOS
A franquia X-MEN, a exemplo de outras como HOMEM-ARANHA, QUARTETO FANTÁSTICO e MOTOQUEIRO FANTASMA, é daquelas que não está sob o controle direto da Marvel Studios, que a partir de HOMEM DE FERRO (2008) dedicou-se por inteiro aos filmes dos super-heróis que participarão do longa OS VINGADORES, a ser lançado ano que vem. Por isso, não deixa de ser uma surpresa o fato de que este X-MEN: PRIMEIRA CLASSE (2011) seja tão bom. De fato, é o melhor longa da franquia, e forte candidato à melhor adaptação de personagens da Marvel para o cinema.

Talvez tenha ajudado para isso a volta à série de Bryan Singer, que dirigiu os dois primeiros X-MEN, ainda que apenas como um dos produtores e autores do argumento. Porém, o fato concreto é que o filme de Matthew Vaugh (que após o interessante KICK ASS – QUEBRANDO TUDO teve aqui a oportunidade de dirigir uma produção com super-heróis “verdadeiros”) tem uma ótima história, que combina fatos reais da Guerra Fria (em especial a Crise dos Mísseis de Cuba) com elementos típicos dos primeiros filmes de 007 (que aliás, nasceram em plena Guerra Fria) e de ficção científica.

Ao contar a origem dos personagens que formarão o núcleo da primeira geração dos mutantes conhecidos por X-Men (especialmente Charles Xavier/Professor X e Erik Lensherr/Magneto, em ótimos desempenhos, respectivamente, de James McAvoy e Michael Fassbender), este prelúdio/reboot aborda com eficiência os temas que sempre foram caros à série: a intolerância e o preconceito da sociedade contra os “diferentes”, no caso os mutantes, e as maneiras opostas de lidar com o problema, defendidas pelos dois principais protagonistas. O personagem mais rico devido à sua complexidade é Magneto. Tendo sofrido na infância a opressão do III Reich, ele aqui ainda é o braço direito de Xavier na luta contra o mal, mas acredita no emprego pelos mutantes de métodos similares aos dos nazistas e de seu “criador” Sebastian Shaw (Kevin Bacon) contra o resto da humanidade, que ele considera uma raça inferior. E isso, todos sabemos onde vai dar.

Boa atenção também é dedicada a outros personagens, mesmo que criando algumas “liberalidades”, como o fato de Xavier e Raven/Mística (Jennifer Lawrence) terem sido criados como irmãos. E também há desperdícios, do tipo utilizar Azazel (Jason Flemyng), uma das criaturas mais poderosas e míticas dos gibis, como mero capanga do vilão. A ação não foi esquecida, e novamente temos duas facções de mutantes em confronto – a liderada por Xavier e a comandada por Shaw (este com uma caracterização à la “vilão de James Bond”). O filme tem excelentes valores de produção, como seu elenco afiado, os efeitos visuais supervisionados por John Dykstra (que em 1977 revolucionou a tecnologia dos efeitos com um pequeno filme então chamado apenas GUERRA NAS ESTRELAS) e um colorido desenho de produção, que destaca o período em que se passa.

Graças à ótima recepção de público e crítica, podemos considerar o longa de Matthew Vaughan como o primeiro capítulo de uma nova trilogia. Atenção às referências aos filmes anteriores e à hilária ponta do mutante mais carrancudo que já existiu.

SOBRE O BD
A Fox lança no Brasil o Blu-ray de X-MEN: PRIMEIRA CLASSE em uma edição caprichada, que peca no quesito embalagem: faltou uma luva de cartolina para envolver o estojo Amaray que contém dois discos – um Blu-ray com o filme em alta definição e os extras, e um DVD com o filme em resolução standard, cópia digital e cenas excluídas. Além disso, em alguns players (como é o caso do Playstation 3) em que o menu está pré-ajustado para português, ele não carregará ou demorará muito para fazê-lo. Segundo a Fox este é um bug relacionado à não acessibilidade da América Latina ao portal BD Live da distribuidora. A solução é ajustar o reprodutor para exibir os menus em inglês – ainda não será possível acessar o BD-Live, mas pelo menos o disco não travará.

Quanto à qualidade de vídeo, praticamente não há o que reclamar. A transferência 1080p/AVC MPEG-4 é praticamente de referência, trazendo uma imagem clara e nítida, repleta de detalhes de pele, vestuário e cenários. As cores são saturadas na medida certa, sem excessos, e os tons de pele são atraentes e naturais. Os pretos são ricos e profundos, e problemas como artefatos e filtros digitais inexistem. É uma ótima imagem em 1080p, que no entanto ressalta alguns pontos desfocados em certas sequências e o efeito CGI não muito convincente do submarino de Shaw rolando sobre as palmeiras na praia.

Já a faixa de áudio original em inglês DTS-HD Master Audio 5.1 não merece qualquer reparo. Os diálogos sempre soam cristalinos vindos do canal central, e a separação dos demais é marcante. Sons ambientes cercam o espectador, e o uso dos efeitos surround é praticamente constante. Destaque para a trilha sonora de Henry Jackman, que é reproduzida com excelente fidelidade por todo o palco sonoro, inclusive retumbando no subwoofer. Aliás outro destaque desta mixagem em alta definição são os seus graves potentes e explosivos, com um “peso” notável. Também há a opção de dublagens lossy em português e espanhol (Dolby Digital 5.1), com legendas e menus (animados) disponíveis em português, inglês e espanhol.

EXTRAS
O BD de X-MEN: PRIMEIRA CLASSE possui bons extras, ainda que não traga todo o conteúdo da edição norte-americana – que, fato raro entre os novos lançamentos, também não possui comentários em áudio.

  • Trilha Sonora Isolada do Compositor – A partir do menu de extras, podemos optar por assistir ao filme acompanhado apenas da trilha incidental de Henry Jackman – e o melhor:em DTS-HD MA!
  • Cérebro: Rastreador de Mutante (HD) – Base de dados interativa sobre os principais mutantes vistos nos filmes da franquia. Selecionando a imagem de um deles, assistimos a um clipe com cenas do personagem extraídas dos filmes onde ele aparece. Após, surge uma tela com informações em texto sobre as principais características do mutante;
  • Filhos do Átomo (HD, 69:30 min.) – Interessante making of em oito partes, abordando variados aspectos da produção: criação e roteiro, seleção de elenco, maquiagem dos atores, desenho de produção, efeitos visuais, trilha sonora, etc. Cada segmento pode ser assistido individualmente ou em conjunto;
  • Cenas Excluídas (HD, 14 min.) – Temos treze cenas eliminadas/estendidas, que podem ser assistidas isoladamente ou em sequência. A maior parte são extensões de cenas já presentes no filme, porém há algumas, excluídas por completo, que são bem interessantes.

Jorge Saldanha

Anúncios

29 Comments

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s