Notícias

Os Romances de Jornada nas Estrelas


Kirk em mais um romance passageiro

Uma das características da Série Clássica de Jornada nas Estrelas, bem como da Nova Geração, é de não terem desenvolvido relacionamentos amorosos sérios entre os personagens. De acordo com o site Trek Brasilis:

“Kirk nunca chegou a se envolver seriamente com alguém. Seus relacionamentos eram mais concentrados em conquistas semanais e meramente físicas. Sua única grande paixão ao longo da Série Clássica – com exceção, é claro, da Enterprise – foi com Edith Keeler, do episódio “The City on the Edge of Forever”.

O relacionamento-surpresa de Spock e Uhura

O capitão Kirk chegou a ter um filho, de nome David, com a ex-namorada Carol Marcus, como foi mostrado em Jornada nas Estrelas II – A Ira de Khan. Já a enfermeira Chappel nutria sentimentos por Spock, mas eles nunca tiveram uma relação. Uma surpresa para os fãs veio no filme Star Trek de J.J. Abrams (2009), quando eles ficaram sabendo que Spock e Uhura, na linha de tempo alternativa que foi criada, têm um romance. Para sabermos se esse relacionamento será duradouro teremos de esperar até 2012, quando será lançado o próximo filme.

Beverly Crusher
Beverly, o grande amor de Picard?

Na Nova Geração, logo no piloto foram estabelecidos dois relacionamentos que foram mal aproveitados: o de Picard com Beverly Crusher, e o de Riker com Troi. Mas esses relacionamentos foram sendo tratados no nível da amizade, mesmo com o fato de Riker e Troi terem tido um romance na Academia da Frota Estelar. Os roteiristas ficaram mesmo em romances de um episódio, que eram muito fracos. Novamente de acordo com o Trek Brasilis:

“É incrível como os membros da Frota Estelar têm uma tendência a fortes paixões de primeira vista! Todos os personagens acabaram tendo algum tipo de episódio com este foco. Quem não se lembra de Picard e Vash (“Captain’s Holiday”, “Qpid”), Data e Tasha (“The Naked Now”), Data e Jenna D’Sora (“In Theory”), Riker e Soren (“The Outcast”), Troi e Devinoni Ral (“The Price”)… e isso apenas para citar alguns casos. A exceção aqui é LaForge, que acabou sendo conhecido como o eterno rejeitado da equipe.”

Um dos absurdos do filme Jornada nas Estrelas – Nêmesis foi o casamento de Riker e Troi, que ficou deslocado e mal explicado. Em Generations e Primeiro Contato não estava ocorrendo nenhum novo romance entre eles. Em Insurreição vemos alguma aproximação entre eles, mas nada sugerindo algo mais sério. Na Nova Geração foi desperdiçada a oportunidade de transformar dois relacionamentos em grandes romances dentro da série. Mas os fãs, em fanfics, trataram de dar um tratamento coerente para a paixão não aproveitada de Riker e Deanna Troi.

Em Jornada nas Estrelas – Primeiro Contato Data foi paquerado por ninguém menos do que a Rainha Borg. No filme seguinte, Insurreição, foi a vez de Picard ter um romance de fim de semana, tão fraco que o único beijo trocado foi cortado da montagem final. Não podemos esquecer que na série ainda havia a Lwaxana Troi paquerando todo mundo que passasse pela frente, inclusive o Capitão Picard, e mais tarde Sisko e Odo em Jornada nas Estrelas: Deep Space 9.

Mas felizmente Deep Space 9 não tinha esse entrave, pois vários relacionamentos foram desenvolvidos. Sisko iniciou um romance com a Maqui Cassidy, e mesmo com a prisão dela e a interferência dos profetas, eles se casam. Sisko e Cassidy adoram beisebol, o que ajudou no relacionamento deles. Durante o episódio “The Way of The Warrior” vemos que Sisko enfrenta até os Klingons para protegê-la.Kira e Odo demoraram muito para se entrosarem, em parte pelo receio de Odo, e por outro lado Kira namorou muitos Vadeks, o que deixava Odo mais inseguro ainda. Foi só durante a Guerra do Dominion que Odo aceita ajuda dos seus amigos para revelar seus sentimentos por Kira. O holograma de Vic Fontaine (criado por Bashir) consegue fazer Odo se soltar com Kira em “His Way”, onde ocorre o beijo deles. O primeiro beijo entre eles foi um dos momentos mais esperados pelos fãs. Vemos que Odo, por causa da sua inexperiência, cometia muitas gafes com a Kira. Jadzia Dax sempre tentava ajudá-los, assim como o barman Quark.

Jadzia, que desperdício!

O romance de Worf e Jadzia foi o mais ridículo de toda a série DS9. Worf  é um Klingon carrancudo que segue as normas à risca, enquanto que Jadzia, embora conheça muito os Klingons (dos tempos de Curzon Dax) adora se divertir. Worf e Jadzia se conhecem durante o episódio “The Way of The Warrior”, e formaram o primeiro casamento entre protagonistas mostrado numa série de Jornada nas Estrelas. O episódio onde ocorre o casamento é bem chato(“You are  Cordially Invited”), além da presença do filho de Worf, Alexander (a mãe de Alexander foi morta pelo Klingon Duras, inimigo de Worf) e Jadzia tendo que se rebaixar para a esposa de Martok. O ritual Klingon com os padrinhos era para ser engraçado. Na minha opinião Jadzia deveria ter tido um relacionamento com o Doutor Bashir, e não com o Worf.

Mas não é de hoje que os roteiristas agem dessa forma com o personagem, já que na sétima temporada da Nova Geração aconteceu um romance mal explicado entre Worf e Troi. Quark e Bashir não gostaram nem um pouco quando Worf e Jadzia se casaram. O romance deles atrapalhou até a guerra, já que numa missão eles deveriam resgatar um desertor Cardassiano que possuía informações sobre Fundadores infiltrados, mas Worf deixou-o morrer para salvar Jadzia (“Change of Heart”). Depois disso Sisko teve o bom senso de não colocá-los mais nas mesmas missões.

O general Martok, amigo de Worf, apoiou o casamento deles. Em “Tears of The Prophets”, Dukat, possuído pelos espectros, mata Jadzia durante o ataque da Tríplice Aliança em Chintoka. Dax volta para a estação como Erzi Dax e fica em atrito com Worf  por algum tempo, até se entenderem em “Strange Bedfellows”, onde chegam a conclusão deque não existe mais romance entre eles,e ficam apenas numa relação de amizade. Bashir e Erzi, um pouco antes do ataque final a Cardassia, se entendem e iniciam um romance.

Paris e B'Ellana em Voyager

Na série Jornada nas Estrelas: Voyager, foram dois romances principais: Tom Paris e B’Ellana Torres, e Sete de Nove e Chakotai. A maioria dos demais personagens tinha só os romances relâmpago de um episódio, e a relação entre Neelix e Kes  nunca foi bem aprofundada e desenvolvida. Por algum tempo pareceu que iam fazer uma aproximação de Chakotai e B’Ellana, mas na quarta temporada ela engrenou um romance com Tom Paris. O fato do pai de B’Ellana ter abandonado sua mãe a deixava insegura com Tom. Por sua vez, quando Bellana engravidou ele passou de mulherengo para um pai responsável. O casamento de Tom e Bellanafoi o segundo a ocorrer na franquia, dentro de uma série de Jornada nas Estrelas.

Parecia que Chakotai ia ter um romance com a Capitã Janeway, mas para a surpresa do publico ele se aproximou de Sete de Nove. No inicio eles tentaram esconder seu relacionamento da tripulação, e isso foi uma bobagem que Tom e Bellana também fizeram. Considerando que os personagens eram todos adultos e estavam isolados no quadrante Delta, sem saber quando e se iam voltar para a Federação, faria sentido a Capitã ter flexibilizado certos protocolos para a tripulação. Diria que a aproximação de Chakotai e Sete ficou muito artificial, e isso deveria ter acontecido mais cedo para poder melhor desenvolver a relação. Inclusive a Capitã Janeway do futuro tenta separar os dois, devido a eventos futuros que são obliterados quando a tripulação consegue voltar para a Terra.

"Trip" Tucker e T'Pol em Enterprise

No rol de romances podemos ainda incluir o envolvimento da vulcana T’Pol com Tucker, mostrado na terceira temporada de Enterprise. Ele foi uma das maiores forçações de barra da franquia,  e felizmente foi descartado na temporada seguinte, quando a série finalmente atingiu seu potencial – infelizmente tarde demais, já que ela acabou sendo cancelada.

De modo geral podemos constatar que Jornada nas Estrelas e seus derivados ficaram mais centrados nos romances de ocasião do que nas relações a longo prazo. Embora Gene Roddenberry tivesse muita visão politica e social, alguns romances bem desenvolvidos também poderiam ter trazido enredos interessantes. Mas mesmo assim a jornada romântica de  Jornada nas Estrelas trouxe bons momentos, como os de Picard e Vash, e de Odo e Kira. Além de momentos engraçados, como na relação de Worf e Jadzia. Com toda certeza DS9 foi a jornada mais romântica de Star Trek.

Guilherme da Costa Radin

2 comentários em “Os Romances de Jornada nas Estrelas

  1. Jadzia deveria ter ficado com dr. Bashir. De tudo o que mais odiei foi Trip ter morrido sem casar com T´Pol. Detestei que o mataram, era meu personagem favorito da série.

    Curtir

  2. Da original, faltou ai Miramanee do cap. Kirk. Achava engraçado na original a superação do povo. por exemplo esse episódio que terminou ele arrasado com a morte da mulher e nunca mais se tocou no assunto, no capítulo seguinte já vida nova, vida que segue, bem estilo a fila anda.

    Curtir

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: