Resenha: O Planeta dos Macacos (Blu-ray)


pmBDProdução: 1968
Duração: 111 min.
Direção: Franklin J. Schaffner
Elenco: Charlton Heston, Maurice Evans, Roddy McDowall, Kim Hunter, Linda Harrison, Lou Wagner, Buck Kartalian
Vídeo: Widescreen Anamórfico 2.35:1 (1080p/AVC MPEG-4)
Áudio: Inglês (DTS-HD Master Audio 5.1), Português, Espanhol (DTS 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol
Nº de discos: 1
Região: A, B, C
Distribuidora: Fox
Lançamento: 14/01/2009
Cotações: Som: **** Imagem: **** Filme: ****½ Extras & Menus: ****½ Geral: ****½

SINOPSE
George Taylor (Charlton Heston) é o comandante de um grupo de astronautas da Terra que acorda do hipersono quando sua nave cai em um planeta remoto, aparentemente destituído de vida inteligente. Com surpresa, eles logo descobrem que o planeta é dominado por símios inteligentes e falantes, que construíram uma civilização similar à dos humanos terrestres. Nesta sociedade invertida os humanos, que não falam, são considerados animais, e utilizados como cobaias. Taylor é capturado, porém é protegido pelos benévolos cientistas chimpanzés Cornelius (Roddy McDowall) e Zira (Kim Hunter), que arriscam as suas vidas para salvá-lo e descobrir a verdade sobre a história de seu planeta, que o Dr. Zaius (Maurice Evans) e seus colegas mantêm oculta.

COMENTÁRIOS
Enquanto muitos clássicos da ficção-científica não resistem ao passar dos anos, O PLANETA DOS MACACOS, dirigido por Franklin J. Schaffner em 1968, mantém até hoje toda a sua relevância. O roteiro foi escrito por Michael Wilson (A PONTE DO RIO KWAI) e Rod Serling (criador da célebre série de TV ALÉM DA IMAGINAÇÃO), com base no livro de Pierre Boulle. Como poucos exemplares do gênero, o filme soube levar às platéias comentários e críticas sociais de forma inteligentemente combinada em uma trama de ação e aventura, o que coloca o filme anos luz à frente da grande maioria dos seus contemporâneos, que se esquecem do conteúdo e usam edição alucinada e efeitos de computação gráfica para atrair as platéias.

O elenco, com óbvio destaque para Charlton Heston, achou o tom ideal para seus personagens, e mesmo quando sob pesada maquiagem (como no caso de McDowall e Hunter, intérpretes dos queridos chimpanzés Cornélius e Zira) os atores forneceram interpretações memoráveis. Também, o filme era tecnicamente primoroso, sendo indicado ao Oscar por seu figurino e pela trilha sonora atonal e vanguardista composta por Jerry Goldsmith, um dos mais estimados trabalhos do falecido compositor. Já a excelente e então revolucionária maquiagem de John Chambers conquistou um Oscar honorário.

O PLANETA DOS MACACOS possui vários momentos que surpreenderam o espectador e tornaram-se antológicos, como a primeira aparição dos gorilas, a cavalo, caçando humanos, ou quando Taylor descobre, em um museu dos macacos, um dos seus tripulantes morto e empalhado como um animal. Mas há dois que se destacam: quando Taylor, após fugir e ser recapturado, grita para o gorila que o segura, “Tire suas patas fedorentas de mim, seu maldito macaco imundo!” (até aquele momento os macacos não conheciam humanos falantes); e a clássica cena final, quando Taylor vê-se face a face com a chave do segredo do planeta e exclama, revoltado: “Malditos! Vocês conseguiram!”.

O sucesso do filme salvou a Fox da falência e o estúdio decidiu, pela primeira vez na história, fazer uma sequência de um dos seus filmes de primeira linha. Como resultado, nos anos seguintes foram lançadas não uma, mas quatro continuações (de qualidade irregular) e uma série de TV com atores e outra em desenho animado, ambas de curta duração. Em 2001 foi a vez da refilmagem dirigida por Tim Burton, que pretendia ser o reinício da franquia. Os planos do estúdio, contudo, foram por água abaixo devido à má aceitação do filme que entre outros problemas, no lugar de uma cena final impactante, trouxe uma conclusão sem pé nem cabeça. O que comprova que, 41 anos após seu lançamento, O PLANETA DOS MACACOS original permanece sendo um marco da ficção científica – e daqueles que dificilmente serão igualados.

O BD
O PLANETA DOS MACACOS é mais um clássico que recebeu da Fox uma excelente edição em Blu-ray, felizmente também no Brasil. E não veio sozinho, já que suas sequências DE VOLTA AO PLANETA DOS MACACOS, FUGA DO PLANETA DOS MACACOS, A CONQUISTA DO PLANETA DOS MACACOS e A BATALHA DO PLANETA DOS MACACOS também foram simultaneamente lançadas aqui – ainda que os BDs não sejam tão completos como esse. Sua transferência widescreen anamórfica 1080p/AVC MPEG-4 no aspecto original 2.35:1 apresenta elevado nível de detalhe, reproduzindo com fidelidade as nuances dos cenários e ambientes naturais – nestes, destacam-se as cenas da desértica “Zona Proibida”, com suas rochas e o solo pedregoso. Ao passarmos para locais com vegetação, as cores surgem vivas e firmes. Os tons de pele são reproduzidos com naturalidade, e a maquiagem dos macacos, mesmo em alta definição, permanece realista e detalhada. Em algumas tomadas percebemos uma certa suavização da imagem, o que pode indicar o uso de filtros digitais, mas são exemplos esparsos e não intrusivos. Notam-se raros e pequenos danos de película, o que seria de se esperar já que a única maneira de eliminá-los por completo seria restaurar o filme quadro a quadro, o que não aconteceu. Por outro lado isso, além da pequena granulação inerente à fonte, serve apenas para nos lembrar que este é um filme dos bons tempos analógicos, e que ainda em plena era digital continua a ser assistido e valorizado.

Como vem sendo praxe em seus lançamentos, a Fox dotou O PLANETA DOS MACACOS de uma nova faixa de áudio sem perdas DTS-HD Master Audio 5.1, muito boa mas que, obviamente, ainda carrega as limitações da gravação original – por vezes lhe falta brilho, e sons mais altos apresentam distorção perceptível. Como é comum em mixagens de filmes mais antigos, o som fica a maior parte do tempo restrito aos canais frontais, e isso inclui até mesmo a trilha musical. Ao longo do filme o campo sonoro expande-se um pouco mais, porém essencialmente trata-se de um apoio para criar alguma ambiência através de efeitos discretos nos canais traseiros. Já a reprodução dos diálogos é excelente, sem dúvida o ponto alto de uma mixagem que, ao contrário de forçar o som multicanal, é fiel ao sound design original. A dublagem original em português recebeu uma versão em DTS 5.1, assim como o áudio em espanhol. As legendas disponíveis são português, espanhol e inglês, e os menus animados traduzidos para o português são antecedidos por um orangotango em CGI (o “Legislador”), que dá as boas vindas ao espectador citando frases de sabedoria símia. Sem dúvida um capricho que agradará aos fãs da série.

OS EXTRAS
Como em outros BDs de clássicos da Fox, O PLANETA DOS MACACOS recebeu uma quantidade considerável de extras, alguns já conhecidos dos DVDs anteriores, outros exclusivos para o disco em alta definição. Os vídeos estão em resolução 1080p (HD) ou 480p (SD) e possuem a opção de legendas em português.

  • Introdução do Legislador (HD, 0:24min.) – Podemos assistir ao filme precedido por uma introdução do “Legislador”, que nos dá uma rápida informação relativa à trama do filme (os demais BDs da série apresentam o mesmo recurso);
  • Trilha Sonora Isolada – Recurso também comum aos demais BDs da série, permite que assistamos ao filme acompanhado apenas da trilha sonora de Jerry Goldsmith. Os fãs da música de cinema agradecem;
  • Comentários em Áudio – Estão disponíveis duas faixas de comentários de áudio. A primeira inicia apenas após o monólogo de Charlton Heston, e traz as participações isoladas dos atores Roddy McDowall, Kim Hunter, Natalie Trundy e do premiado maquiador John Chambers. Na segunda o compositor Jerry Goldsmith, entre os intervalos das músicas, nos fornece interessantes informações. Para variar, a Fox não incluiu legendas em português nestes comentários;
  • Comentários em Texto – Durante o filme temos textos com informações e curiosidades, escritos pelo autor do livro Planet of the Apes’ As American Myth, Eric Greene;
  • Bonus View: Ciência dos Macacos – Um dos mais interessantes extras é este comentário PIP, que durante o filme nos fornece depoimentos de vários cientistas e escritores sobre a ciência real por trás do filme, em assuntos que vão desde a evolução da viagem espacial até a “dilatação do tempo”. Trata-se de material realmente inédito que não foi extraído de outros extras, como é comum nestes casos. Há também a possibilidade de os vídeos serem assistidos em separado;
  • Por Trás de O Planeta dos Macacos (SD, 118 min.) – Antecedido de um teaser promocional, este excelente documentário de longa metragem realizado em 1998 cobre os cinco filmes da série original – com ênfase, é claro, no original de 1968. Inclui depoimentos de Charlton Heston, McDowall (que também é o apresentador) e Hunter, do produtor Richard Zanuck, do escritor Pierre Boulle e de vários membros do elenco e equipe. Entre muitas informações sobre os filmes, também é abordado o fenômeno da franquia, inclusive o abundante merchandising e a série de TV;
  • Além da Zona Proibida (SD, 15 min.) – Produzido em 1972 e apresentado por Charlton Heston, este featurette parece um comercial de TV estendido. Vale pela curiosidade histórica;
  • Apresentação OTAN 1967 (SD, 10 min.) – Basicamente outra peça de marketing, que também conta com a participação de Heston, dirigindo-se aos exibidores;
  • Featurette de1968 (SD, 5 min.) – Outra curiosidade histórica, que inclui raros desenhos conceituais e cenas de testes de maquiagem;
  • Arquivos dos Macacos (SD, 55 min.) – Raridades retiradas dos bastidores dos filmes da série: “Don Taylor Dirigindo FUGA DO PLANETA DOS MACACOS” (7min.), “J. Lee Thompson Dirigindo A CONQUISTA DO PLANETA DOS MACACOS” (1 min.), “Teste de Maquiagem com Edward G. Robinson (9 min.), “Copiões e Tomadas Exclusivas” (18 min., sem áudio) e “Filmagem de Roddy McDowall” (20 min.);
  • O Impacto dos Macacos (HD, 11 min.) – Featurette que trata do legado do filme na cultura pop. Em tom leve mostra várias curiosidades, como um abortado programa infantil com bonecos;
  • A Evolução dos Macacos (HD, 23 min.) – Mais substancial que o anterior, este trata do nascimento do fenômeno a partir do livro original de Pierre Boulle, passando pelo desenvolvimento do filme e suas continuações até chegar à fracassada refilmagem de Tim Burton;
  • Jogo Interativo: “Além da Zona Proibida” (HD) – Outro game em Java para BD, onde durante o filme aparece um pequeno labirinto ou mapa em 3-D, e você terá de escolher entre opções de múltipla escolha para mover seu personagem. Joguinho simples, haverá quem goste mas acho dispensável;
  • Um Anúncio de Utilidade Pública da ANSA (HD) – Falso anúncio “de época” da ANSA, a agência espacial citada no filme, com ênfase no Projeto Liberty de exploração de outros mundos;
  • Galerias (SD) – São galerias de imagens não tão abundantes, consistindo de algumas montagens curtas: arte conceitual de Morton Haack (1 min.), fotos de elenco e publicidade (2 min.), merchandising (1 min.) e coleções (1 min.);
  • Trailers (HD) – Teaser e Trailer de cinema. A qualidade é irregular, mas sua inclusão nos extras é bem vinda.

Jorge Saldanha

About these ads

6 comentários sobre “Resenha: O Planeta dos Macacos (Blu-ray)

  1. Eu lembro que era adolescente quando vi esse filme pela primeira vez, lá pelos idos de 1980. Já tinha acompanhado a série, que passava às segundas ou terças na Globo. Nossa!!! Poucos filmes causaram tanto impacto em minha vida. A minha perspectiva juvenil, àquela época, fazia pensar que se tratava de uma simples ficção científica, para puro entretenimento. Quando vi novamente a história, há alguns meses, pude perceber a sua essência verdadeira, filosófica, que debocha da condição humana e da relação do homem com o meio em que vive. Aquela cena final é antológica, inesquecível. O filme é um clássico de primeira grandeza. Pretendo ter o blu-ray na minha coleção.

  2. Pingback: Biografia de Rod Serling em desenvolvimento « Sci Fi do Brasil

  3. Pingback: Resenha: Planeta dos Macacos – A Origem | SCI FI do Brasil

  4. Pingback: Resenha: PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM (Blu-ray+DVD) | SCI FI do Brasil

  5. Concordo contigo Dhiogo.
    Acessei o site buscando a resenha e não a sinopse, se bem que a sinopse é bem completa, mas não era bem isso que estava buscando (e ainda estou).
    De qualquer forma, obrigado Jorge Saldanha.

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s