PERDIDOS NO ESPAÇO: O Clandestino Teimoso


lostVárias vezes já me perguntaram qual é meu episódio preferido de uma série sci fi. Pergunta difícil, já que não é fácil destacar um episódio especial entre tantas e clássicas séries do gênero. No melhor estilo Spock, a solução lógica para chegar a uma resposta é considerar não apenas os méritos do episódio ou da série, mas também o momento em que foi assistido e o modo como influenciou meus interesses a partir daí. Foi assim que, graças à minha máquina do tempo particular voltei a 1967, quando coisas muito interessantes haviam surgido na televisão americana e estavam chegando na brasileira. Desde 1966 já era um espectador infantil assíduo de VIAGEM AO FUNDO DO MAR, THUNDERBIRDS, ALÉM DA IMAGINAÇÃO e QUINTA DIMENSÃO, séries que para qualquer fã de FC dispensam comentários. Mas foi no primeiro semestre de 1967 que fiquei eletrizado ao assistir à chamada de um novo seriado de FC que iria ser exibido nos domingos, às 19 horas (após BATMAN). No trailer, uma nave espacial em forma de disco era lançada ao espaço, saindo da rota e dando início a uma série de aventuras espetaculares. Com a respiração suspensa, durante 30 segundos pude ver a nave enfrentar uma chuva de meteoros, ter seu sistema de navegação avariado por um robô descontrolado e o seu comandante ficar à deriva no espaço. A pequena “amostra” terminava com o disco decolando, no exato momento em que um dos seus tripulantes dava um grito de pavor. Como o leitor já deve ter adivinhado, a série era PERDIDOS NO ESPAÇO, produção de Irwin Allen para a Fox que teve 83 episódios entre 1965 a 1968.

LIS1DVD5O piloto original, No Place To Hide, utilizado para vender a idéia à rede de televisão americana CBS, mostrava a partida da 1ª família de colonos do espaço, os Robinsons, que perdiam-se no espaço e chegavam a um inóspito planeta, enfrentando inúmeros perigos para sobreviver. Após o sinal verde para o início da série, Allen e seus roteiristas adicionaram dois personagens, o Dr. Zachary Smith, memorável criação de Jonathan Harris, e o Robô de exploração interpretado por Bob May, com voz de Dick Tuffeld. Pois foi ao assistir o primeiro episódio da série, que adicionou às cenas do piloto original tomadas com os dois novos personagens, que há mais de 40 anos tornei-me definitivamente um fã da ficção científica, e em especial das aventuras espaciais. O Clandestino Teimoso, escrito por Shimon Wincelberg e dirigido por Tony Leader, inicia-se em 16 de outubro de 1997, quando o Controle Alfa lança o Júpiter 2 na primeira missão de colonização terrestre, rumo ao sistema Alfa Centauro. A tripulação, composta pelo Prof. John Robinson (Guy Williams, que já conhecia do ZORRO), sua esposa Maureen (June Lockhart) e seus filhos Judy (Martha Kristen), Penny (Angela Cartwright) e Will (Billy Mumy), além do piloto Donald West (Mark Goddard), permaneceria em animação suspensa durante a viagem de cinco anos. Os problemas iniciam quando o sabotador de uma potência inimiga, o Dr. Smith, esconde-se na nave antes do lançamento, programando o Robô para destruir os controles de navegação e de suporte de vida oito horas após o lançamento do Júpiter 2. Infelizmente para Smith ele não consegue sair da nave a tempo, partindo com os Robinsons na viagem condenada. Devido ao excesso de peso provocado por Smith, a nave desvia-se de seu curso e enfrenta uma tempestade de meteoros.

WillSmithSmith então reanima o Major West, que consegue retirar o Júpiter da zona de perigo. A nave, no entanto, fica seriamente avariada e fora da rota. Don reanima o restante da tripulação, enquanto Smith tenta sem sucesso alterar a programação do Robô. A máquina, antes de ser desativada e emitindo um tenebroso “DESTRUIR”, danifica ainda mais os controles da nave, lançando-a em hiper-velocidade para os confins da galáxia. O episódio conclui-se quando o Prof. John Robinson, que iria fazer reparos externos, graças a mais uma sabotagem de Smith fica à deriva no espaço. Vários aspectos da produção da série e deste episódio em particular colaboraram para que PERDIDOS NO ESPAÇO, pelo menos em seu início, conquistasse um lugar de destaque entre os clássicos da TV. Por exemplo, os efeitos especiais de L. B. Abott para a época eram de uma qualidade inédita, e ao contrário de produções recentes, os aspectos tecnológicos da nave e mesmo do Robô foram explicados pelo narrador (Tuffeld), enquanto imagens dos elaborados cenários eram exibidas. A trilha sonora de John Williams (lançada em CD pela GNP Crescendo em meados dos anos 1990) é excepcional, e o final em suspense, como nos antigos seriados de aventuras, foi um dos maiores acertos da produção, mantendo os espectadores ansiosos por saber como os Robinsons escapariam dos perigos em cada novo episódio.

Outro fator diferencial da série (e de outras produções de Irwin Allen) era o ritmo vibrante, a ação e a aventura bem dosadas entre os diálogos, prendendo a atenção de espectadores de todas as idades. Se por um lado as soluções obtidas à base de luta corporal eram muitas vezes simplistas, ainda mais se considerarmos que os envolvidos eram na maioria das vezes cientistas, elas sempre eram garantia de movimentação. Infelizmente, a aventura foi cedendo lugar gradativamente ao humor, centrado nas figuras de Smith, Will e o Robô, o que não impediu que os índices de audiência continuassem muito bons até a última temporada. PERDIDOS NO ESPAÇO é talvez o melhor exemplo de uma fase de entretenimento descompromissado que, infelizmente, dificilmente voltará à televisão. Em 1967, aos 9 anos de idade, eu sem saber estava testemunhando uma fase ímpar da ficção científica na TV. Logo em seguida chegariam O TÚNEL DO TEMPO e JORNADA NAS ESTRELAS, e eu definitivamente nunca mais seria o mesmo.

Jorge Saldanha

About these ads

15 comentários sobre “PERDIDOS NO ESPAÇO: O Clandestino Teimoso

  1. Lembro que no início, o Dr. Smith era bem mau! Era um espião russo que sem querer ficou preso na Jupter 2.
    Lembra o que ele falava (apavorado!!! hahaha!!)no rádio pedindo ajuda para sair da nave antes que ela deixasse a terra??
    “- AI ORI CATORI UMBRA! – AI ORI CATORI UMBRA! ”
    Seja lá o que isso queria dizer!!

    Bons tempos…

    Curtir

  2. Pingback: Escolhida a nova Mulher-Maravilha | Sci Fi do Brasil

  3. Pingback: Leonard Stone (1923-2011) | SCI FI do Brasil

  4. Pingback: Robert Easton (1930-2011) | SCI FI do Brasil

  5. Pingback: Dick Tufeld (1926-2012) | SCI FI do Brasil

  6. Pingback: Warren Stevens (1919-2012) | SCI FI do Brasil

  7. Pingback: PERDIDOS NO ESPAÇO – Há 8 anos, o Lançamento dos DVDs no Brasil | SCI FI do Brasil

  8. Pingback: Malachi Throne (1928-2013) | SCI FI do Brasil

  9. Pingback: Michael Ansara (1922-2013) | SCI FI do Brasil

  10. Pingback: Jonathan Harris: “Nada tema… com Smith não há problema” | SCI FI do Brasil

  11. Pingback: PERDIDOS NO ESPAÇO: Série será relançada em 2015 em alta definição | SCI FI do Brasil

  12. Pingback: Don Matheson (1929-1014) | SCI FI do Brasil

  13. Pingback: Jorgeh Ramos (1941-2014) | SCI FI do Brasil

Comente o conteúdo da postagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s